Baixar Livro Sistema Econômico Islâmico: História da Economia Islâmica - Mohammed Othmman em ePub PDF Mobi ou Ler Online

Sistema Econômico Islâmico: História da Economia Islâmica

Descrição

A Idade de Ouro Islâmica é tradicionalmente datada de meados do século VII a meados do século XIII, durante o qual os governantes muçulmanos estabeleceram um dos maiores impérios da história. Durante este período, artistas, engenheiros, estudiosos, poetas, filósofos, geógrafos e comerciantes do mundo islâmico contribuíram para a agricultura, artes, economia, indústria, direito, literatura, navegação, filosofia, ciências, sociologia e tecnologia, tanto por preservando as tradições anteriores e acrescentando invenções e inovações próprias. Também naquela época, o mundo muçulmano tornou-se um importante centro intelectual para ciência, filosofia, medicina e educação. Em Bagdá, eles estabeleceram a “Casa da Sabedoria”, onde estudiosos, muçulmanos e não-muçulmanos, buscavam reunir e traduzir o conhecimento do mundo para o árabe no Movimento de Tradução. Muitas obras clássicas da antiguidade que de outra forma teriam sido esquecidas foram traduzidas para o árabe e mais tarde traduzidas para o turco, sindi, persa, hebraico e latim. O conhecimento foi sintetizado a partir de obras originárias da antiga Mesopotâmia, Roma Antiga, China, Índia, Pérsia, Egito Antigo, Norte da África, Grécia Antiga e civilizações bizantinas. Dinastias muçulmanas rivais, como os fatímidas do Egito e os omíadas de al-Andalus, também foram grandes centros intelectuais com cidades como Cairo e Córdoba rivalizando com Bagdá. O império islâmico foi a primeira “civilização verdadeiramente universal”, que reuniu pela primeira vez “povos tão diversos quanto os chineses, os indianos, os povos do Oriente Médio e do norte da África, africanos negros e europeus brancos”. A inovação desse período foi o papel – originalmente um segredo bem guardado pelos chineses. A arte do papel foi obtida dos prisioneiros capturados na Batalha de Talas (751), espalhando-se pelas cidades islâmicas de Samarcanda e Bagdá. Os árabes aprimoraram as técnicas chinesas de uso da casca da amoreira usando amido para explicar a preferência muçulmana por canetas versus os chineses por pincéis. Por volta de 900 dC havia centenas de lojas empregando escribas e encadernadores para livros em Bagdá e bibliotecas públicas começaram a se estabelecer. A partir daqui, a fabricação de papel se espalhou para o oeste até Marrocos e depois para a Espanha e de lá para a Europa no século XIII. Muito desse aprendizado e desenvolvimento pode estar ligado à topografia. Mesmo antes da presença do Islã, a cidade de Meca servia como centro de comércio na Arábia. A tradição da peregrinação a Meca tornou-se um centro de troca de ideias e bens. A influência dos mercadores muçulmanos nas rotas comerciais afro-árabes e árabe-asiáticas foi tremenda. Como resultado, a civilização islâmica cresceu e se expandiu com base em sua economia mercantil, em contraste com seus pares cristãos, indianos e chineses que construíram sociedades a partir de uma nobreza agrícola. Os mercadores trouxeram mercadorias e sua fé para a China, Índia, Sudeste Asiático e os reinos da África Ocidental e voltaram com novas invenções. Os comerciantes usavam sua riqueza para investir em têxteis e plantações. Além dos comerciantes, os missionários sufis também desempenharam um grande papel na disseminação do Islã, levando sua mensagem a várias regiões do mundo. Os principais locais incluíam: Pérsia, Mesopotâmia Antiga, Ásia Central e Norte da África. Embora os místicos também tenham tido uma influência significativa em partes da África Oriental, na Antiga Anatólia (Turquia), no sul da Ásia, no leste da Ásia e no sudeste da Ásia.